quarta-feira, 22 de janeiro de 2014

SE TODOS ESTÃO FALANDO...



Quando as pessoas me diziam que eu me parecia com um indiano, sempre levei o assunto como brincadeira. Mas pessoas diferentes começaram a dizer o mesmo. Até gente de outros lugares, quando me conhecia, afirmava a tal semelhança. O cúmulo aconteceu no Aeroporto de Cumbica. Eu estava viajando para Buenos Aires e precisava achar o portão de embarque. Resolvi perguntar a um homem, que, logo, percebi, tratava-se de um legítimo indiano. Ele me deu a informação (com um inglês que me pareceu bem truncado), eu agradeci e me dirigi à escada rolante.
Quando cheguei no local, vi que estava bem tumultuado, com muita gente. Não havia tomada disponível para o notebook, sequer lugar para me assentar. Desse modo, resolvi voltar para onde estava, uma vez que faltava meia hora para o início do embarque. Na seção de emparque que se localizava na parte de cima, facilmente achei onde me assentar. Já acomodado, percebi que um homem me olhava. Junto dele, apareceu aquele indiano, que a princípio me dera a informação.
Os dois conversavam sobre mim, parecendo visivelmente admirados – a essa altura, eu apenas poderia imaginar o que se passava, porque falavam baixo e com sotaque ininteligível. Finalmente, o homem a quem eu conhecia tomou coragem e me perguntou com aquele inglês peculiar: “Você é indiano?”. Percebendo a ironia da situação, respondi (com um inglês cheio de sotaque brasileiro): “Não, sou brasileiro. Mas as pessoas sempre me perguntam isso…”.
Depois do episódio, eu me convenci: devo realmente me parecer com um indiano. Até os indianos acham isso! Quando muitas pessoas fazem uma observação, sem necessariamente ter contato prévio umas com as outras, é bem provável que haja um fundo de verdade. Uma situação similar acontece em relação à identidade adventista: há muitos estudiosos na atualidade que se mostram preocupados com as mudanças no estilo de vida adventista e mesmo em alguns pontos de entendimento das doutrinas bíblicas. Mesmo mediante a multidão de comentários, artigos e livros sobre o assunto, poucos parecem estar convencidos disso.
Entretanto, o fenômeno está aí para quem quiser ver. Antigamente, quando os adventistas diziam que se tem de guardar o sábado, o mundo evangélico reagia, dizendo que isso era fanatismo. Hoje, se alguém afirmar que jogar videogame não é apropriado no dia de sábado (e, em alguns casos, não é apropriado em dia nenhum!), quem dirá que isso é fanatismo serão os próprios adventistas! Há décadas, era muito difícil alguém convencer um adventista de algo, porque ele sempre tinha alguns versos bíblicos para apoiar o que cria. Hoje, vá a um foro adventista e veja como as discussões giram em torno de “eu acho que”, “na minha opinião”, “isso é o meu modo de ver” e expressões congêneres. As mínimas noções básicas de interpretação hoje são ignoradas. Se alguns escritores antecipavam que teríamos uma geração biblicamente analfabeta, isso hoje não parece uma profecia amarga, todavia, já se trata da mais cruel realidade.
Não adianta espernear: a razão pela qual muitos querem uma renovação nos cultos e um afrouxamento das normas de vestimenta é simplesmente porque sua mente não faz conexão entre a experiência cristã (que eles possuem de fato) com a necessidade de aceitar o senhorio de Jesus (que eles entendem de um modo restrito, condicionado a um período específico e, portanto, desnecessário aos novos tempos). Simples assim. Estamos lutando para ampliar um caminho ao qual Jesus chamou de estreito. Enquanto o conselho para Laodiceia fala sobre necessidade de colírio, achamos que, em terra de cego, quem precisa de colírio é rei.

Podemos ignorar a multidão de opiniões de pastores e líderes. Mas até quando resistiremos ao Espírito? E qual será o preço por adiarmos nos submetermos a Ele, em busca de reavivamento?

Veja também


14 comentários:

Clair Silveira disse...

Realmente, a verdade é o que a biblia já disse: meu povo padece por falta de conhecimento. É um sinal da breve volta de Jesus, espero que acordemos a tempo!

Mateus disse...

"Video game", "vestimenta", "experiência cristã"...de fato o caminho é estreito. Só não sei se esse seu combate a nada que seja tradicional e certo, a vista da sua interpretação e entendimento, vai levar.

Onde pretende chegar? "Bem que o Douglas tinha razão?"

Fico intrigado em pensar que se não fosse aquilo que chama de liberais da igreja, pra onde apontaria suas admoestações, exortações??!

A cada texto é uma tentativa de dimensionar o que está certo e o que está errado. Estamos todos no mesmo barco, na mesma Laodicéia, na mesma mornidão e na mesma cegueira. Pelo visto, espera-se da igreja adventista algo que não vai acontecer, que é um reavivamento. O reavivamento verdadeiro acontecerá dentro de cada um que busca fielmente e sinceramente a Deus em oração e aprofundamento do estudo da Bília.

Reli o Projeto Sunlight e em nenhum momento percebi uma igreja reavivada, mas vi pessoas que descobriram a verdade pelo Amigo da Terra e por um despertar que não veio de nós.Muito pelo contrário, o livro sugere uma igreja morna e que não alcançou aquelas pessoas. Como disse um amigo meu, estamos preocupados demais com o coletivo e esquecendo do individual.Li também um capítulo do Grande Conflito(já li ele todo) que diz sobre a angústia que nos aguarda e percebi também que assim como Jacó, os que resistirão firmemente serão os que se humilharam e afligiram os corações perante Deus.Contudo, o que tem permeado aos comentários, as rodas de conversa é que a Nova Semente é a Babilônia e que tá cheio de coisa errada, que as igrejas tão liberando as coisas...sinceramente, você espera algo diferente da apostasia neo tempo que vivemos? Agora, seria essa apostasia só do lado dito liberal? Ou será que existem duas alas na igreja sejam realmente VISÍVEIS, porque pelo padrão que tenta mostrar aqui no blog, isso tá bem claro. Os liberais tão indo pro lado errado e os tradicionais tentam manter a identidade.

Enfim, gosto sempre de dizer que Jacó e Maria Madalena seriam extirpados das nossas igrejas, pecadores demais pra nossa santidade. Lendo o Sunlight noto que a personagem principal, Meg seria massacrada por um público que veria mais o cigarro que ela fumava ( depois largou) ao interesse dela pelas escrituras.

Fico com as palavras da meditação do dia 12/01:

"Muitos gostam de insistir em insignificantes atos do desempenho humano como se esses fossem os traços mais importantes do perfil cristão. A dieta alimentar é um bom exemplo. Embora recomendável em si, não é o centro do ensinamento bíblico. Não é por acaso que Ellen White observa: "Muitos que se chamam cristãos são meros moralistas humanos" (Parábolas de Jesus, p. 315). Para ela, a "última mensagem de graça a ser dada ao mundo é uma revelação do caráter do amor divino" (ibid., p. 415). Ser moralista é infinitamente mais fácil do que seguir a Cristo de fato. "

douglas reis disse...

Mateus,

obrigado por sua interação.

Eu trato sobre liberais e conservadores dentro da igreja no primeiro capítulo de meu livro Explosão Y (de 2013).

O livro Projeto Sunlight é um magnífico romance adventista, que teve um pape fundamental na minha conversão e de minha família. Entendo que ele não seja um compêndio de escatologia, mas traça os eventos finais da perspectiva de um não adventista. Excelente livro para dar de presente para amigos, mas não para discutir teologicamente!

O reavivamento é individual, mas também coletivo (por isso, o processo de sacudidura, quando aqueles que não se firmaram na verdade a abandonarão, infelizmente). Ele não atingirá somente adventistas, muito menos todos os adventistas. Daí a importância de refletirmos continuamente no tempo que estamos vivendo.

Um forte abraço.

Nelson Júnior disse...

Continue escrevendo pastor, seus textos são fantásticos, críticas sempre terá, assim como temos as vezes na porta da igreja depois de termos pregado..rsrs Mas Deus te deu um dom, continue usando!!! Parabéns

Medicina, Direito, Teologia e Poesia disse...

Meus irmãos, continuemos admoestando-nos mutuamente. Dentro de um contexto de Fraternidade. Sem, contudo, preocuparmo-nos mais com o Cisco no olho de nosso irmão, do que com a trave em nosso próprio. Que a Paz do Senhor seja convosco.

Maria Batista disse...

Aprendo bastante com suas mensagens! Que Deus continue te abençoando Douglas Reis!

Nádia Britto Panaino disse...

Como sempre, Pr. Douglas, excelente texto!!

Só gostaria de fazer um comentário com relação à meditação do dia 12/01, do Pr. Amim Rodor, teólogo adventista do qual tenho profunda admiração. Vamos ao contexto?

"Deus requer de Seus filhos perfeição. Sua lei é um transcrito de Seu caráter, e é o padrão de todo caráter. Essa norma infinita é apresentada a todos, para que não haja má compreensão no tocante à espécie de homens que Deus quer ter para compor o Seu reino. A vida de Cristo na Terra foi uma expressão perfeita da lei de Deus, e quando os que professam ser Seus filhos receberem caráter semelhante ao de Cristo, obedecerão aos mandamentos de Deus. Então o Senhor pode contá-los com toda a confiança entre os que formarão a família do Céu. Trajados com as vestes gloriosas da justiça de Cristo, participarão da ceia do Rei. Têm o direito de associar-se com a multidão lavada no sangue.

O homem que foi à ceia sem a veste de bodas representa a condição de muitos hoje em dia. Professam ser cristãos e reclamam as bênçãos e privilégios do evangelho; contudo não sentem a necessidade de transformação de caráter. Nunca sentiram verdadeiro arrependimento dos pecados. Não reconhecem a necessidade de Cristo, nem exercem fé nEle. Não venceram suas inclinações para a injustiça, herdadas e cultivadas. Contudo pensam ser bastante bons em si mesmos, e confiam em seus próprios méritos em vez de nos de Cristo. Como ouvintes da Palavra, vão ao banquete, mas não tomaram a veste da justiça de Cristo.

Muitos que se chamam cristãos são meros moralistas humanos. Recusaram a dádiva que, somente, podia habilitá-los para honrar a Cristo com representá-Lo ao mundo. A obra do Espírito Santo lhes é estranha. Não são praticantes da Palavra. Os princípios celestes que distinguem os que são um com Cristo dos que se unem ao mundo, tornaram-se quase indistintos. Os professos seguidores de Cristo não são mais um povo separado e peculiar. A linha de demarcação é imperceptível. O povo está-se subordinando ao mundo, às suas práticas, costumes e egoísmos. A igreja passou para o mundo, transgredindo a lei, quando o mundo devia passar para a igreja na obediência da mesma. Diariamente a igreja se está convertendo ao mundo.

Todos estes esperam ser salvos pela morte de Cristo, ao passo que recusam viver Sua vida de abnegação. Exaltam as riquezas da livre graça, e procuram cobrir-se com a aparência de justiça, esperando assim ocultar os defeitos de caráter, mas seus esforços serão vãos no dia de Deus.

A justiça de Cristo não encobrirá pecado algum acariciado. O homem pode ser intimamente transgressor da lei; todavia, se não comete um ato visível de transgressão, pode ser considerado, pelo mundo, possuidor de grande integridade. A lei de Deus, porém, lê os segredos do coração. Todo ato é julgado pelos motivos que o sugeriram. Somente quem estiver de acordo com os princípios da lei de Deus, permanecerá em pé no Juízo.

Deus é amor. Demonstrou Ele este amor na dádiva de Cristo. Quando "deu o Seu Filho unigênito, para que todo aquele que nEle crê não pereça, mas tenha a vida eterna" (João 3:16), nada reteve de Sua possessão adquirida. Deu todo o Céu, do qual podemos tirar poder e eficiência para não sermos repelidos nem derrotados por nosso grande adversário. Mas o amor de Deus não O leva a desculpar o pecado. Não o desculpou em Satanás; não o escusou em Adão ou em Caim; nem o desculpará em qualquer outro homem. Não tolerará nossos pecados, e não passará por sobre nossos defeitos de caráter. Espera que vençamos em Seu nome."
Parábolas de Jesus, págs 315 e 316.

Portanto, podemos verificar que a profetiza está falando daquelas pessoas que não querem mudar de vida, querem continuar com o mesmo padrão do mundo, o que Leandro Quadros chama de "pecadeiros"!

Clauzemberg disse...

A maior dificuldade hoje é não reconhecermos o período profético em que nos encontramos. Já deixamos a muito tempo o período da igreja de Filadélfia (amor fraterno) e estamos agora no último período, a igreja de Laodicéia (povo do juízo). Esse é o período da mornidão espiritual. Período onde as 10 virgens dormem esperando o esposo. É muito bom dormir numa cama quentinha e confortável. Quem quer ser despertado? Somente aqueles que não querem chegar tarde ao trabalho.
Em apocalipse 14 lemos sobre os 144 mil. No verso 4 é dito que eles serão as primícias (dos vivos), não se contaminaram com mulheres (igrejas) e seguem o Cordeiro onde quer que ele vá. Eles serão irrepreensíveis e sem defeito (como o Cordeiro). Em 2011, a igreja adventista tinha 17.479.890 membros. Será que ainda não alcançamos os 144 mil? Interessante que esse é o único número em profecia que não é visto como literal mas simbólico porque não tem condição serem só 144 mil, e os outros 17.335.890 de membros? E o restante da população mundial de mais de 7 bilhões? Realmente 144.000 é muito pouco (0,002%) e mesmo assim parece que é impossível. Se não houver as primícias (144 mil) como pode haver a colheita (grande multidão Apo 7:9)?
Paulo escreveu em 1 Coríntios 9:24-27: "Não sabeis que entre todos os que correm no estádio, na verdade, somente um recebe o grande prêmio? Correi de tal maneira que o alcanceis! Todos os que competem nos jogos se submetem a um treinamento rigoroso, e isso, para obter uma coroa que logo se desvanece; no entanto, nós nos dedicamos para ganhar uma coroa que dura eternamente. Portanto, não corro como quem corre sem alvo, e não luto como quem apenas soca o ar. Mas esmurro o meu próprio corpo e faço dele meu escravo, para que, depois de haver pregado aos outros, eu mesmo não venha a ser reprovado."
Os que estudam apenas para passar de ano somente com a nota mínima são os que reprovam.
Pegando o gancho da citação acima do Mateus: "A dieta alimentar é um bom exemplo. Embora recomendável em si, não é o centro do ensinamento bíblico." Concordo totalmente, o centro é o amor a Cristo e o amor ao meu irmão (1 Jo 4:20) por isso, "se o alimento que eu como induz meu irmão a pecar, nunca mais comerei carne a fim de que não seja eu a causa do pecado dele." (1 Co 8:13). Veja que a reforma alimentar não é consequência mas resultado. Não é por deixar de comer algo que eu vou amar meu irmão ou a Cristo mas como resultado do amor é que posso fazer essas coisas.
Não vejo nenhuma admoestação ou exortação como crítica a um grupo específico mas sim como uma crítica para mim mesmo e como um clamor para despertar. Se até Pedro, transformado pelo Espírito, foi repreendido por Paulo (Gál.2:11) imagina se eu não preciso de repreensão?
Jesus nos avisou: Lembrem-se da mulher de Ló! (Lucas 17:32). Ela estava dentro do povo de Deus mas Deus não estava dentro dela. Quanto mais eu amar o mundo e as coisas do mundo mais difícil será no dia da grande tribulação ficar firme ao lado de Jesus. Estamos em guerra e "nenhum soldado em serviço se embaraça com negócios desta vida, a fim de agradar àquele que o alistou para a guerra." (2Tm 2:4).

Edite Esteves disse...

Gostei de ler. Muito bem!
Partilho aqui os meus blogs:

www.meditacaoparaasaude.blogspot.com

www.leiturasparaavida.blogspot.com

Muito grata. Que o Senhor vos abençoe.

Lucas de Almeida disse...

Então querer uma renovação do culto e menos regras quanto ao vestuário é querer ampliar o caminho estreito?

Quer dizer que o culto adventista tradicional é o único aceito?

As mulheres só devem ir de saia e vestido para a igreja?

Nossa igreja precisa de renovação e mais evangelho, não regrinhas.

douglas reis disse...

Lucas de Almeida,

obrigado pela sua interação. Devo observar alguns pontos;

1) Não mencionei roupas no texto. A conclusão de que falo do assunto é de sua responsabilidade!

2)Sim, concordo: mais do evangelho. Mas o que é o evangelho? O evangelho eterno inclui a mensagem de Deus para nós. Estamos falando de salvação. Essa mensagem, centralizada em Cristo, compreende 3 etapas: justificação, santificação e glorificação. É impossível dissociar evangelho verdadeiro e estilo de vida. A salvação afeta meu estilo de vida. Veja a resenha sobre o livro de LaRondelle: http://questaodeconfianca.blogspot.com.ar/2014/01/cristo-nosso-salvador.html

Um forte abraço.

Cristiano Sequeira disse...

Estimado irmão, concordo 100% consigo. Em particular, convido-o a assistir às minhas palestras sobre os perigos escondidos nos videojogos, especialmente as que apresentei na IASD de Leiria: http://www.youtube.com/playlist?list=PLLwXuHgiVdmpgmjH8J2YarZ3-JJhSvlnt. Videojogos não são para a semana e menos ainda o Sábado. Ainda hoje, numa igreja francesa, apnhei vários jovens de roda de uma PSP, e os pais encorajam. Deus o guarde.

Perspectiva Adventista disse...

Mestre Douglas,

Parabéns. Seus textos marcam. Em tempos de pluralidade, a verdade das coisas estão sob manto ideológico. Por isso, é preciso orar mais e buscar mais pela sensibilidade do Espírito Santo.

Abraço

Jael Eneas

Shirley de Oliveira Chollet Moreira Moreira disse...

Caro Pr Douglas:

Entendo que não tem a pretensão de ser profeta, mas a Bíblia nos mostra que eles não eram muito populares quando levavam a mensagem de Deus para o povo.
Entendo também que suas ponderações são fruto de observação sincera em relação ao estado das ovelhas e até dos pastores.
Convido seus leitores e a mim mesmo, a nos afastarmos dos gostos e pensamentos pessoais, e deixarmos que o Espírito Santo nos ensine o caminho pelo qual devemos andar.
Não nos comparemos uns com os outros, mas aceitemos o fato que diante de um Deus Santo, somos todos igualmente devedores.
Quando estudo a Palavra e me deparo com a misericórdia de Jesus para com os pecadores, encho-me de admiração por nosso amoroso Salvador.
Oremos uns pelos outros e por todos os peregrinos que viajam para a Pátria.

Maranata!

Antônio Moreira