quarta-feira, 14 de junho de 2017

O POLITICAMENTE INCORRETO JESUS


A crítica de cinema Isabela Boscov, ao tratar do filme Z – a cidade proibida, reagiu contra a caracterização de sua personagem principal. O explorador Percy Fawcett, que, na vida real, procurou pela lendária El Dorado, estaria retratado na trama muito diferente da pessoa que realmente foi. Nas palavras de Boscov: “É uma representação politicamente correta do personagem real, agudamente preocupada com os ditames do que hoje se considera ser de bom tom.”
Se isso é um fator de frustração em um filme, imagine quando a personagem histórica é Jesus, alguém cuja importância e papel na construção do Ocidente transcende não só a figura de Fawcett, como a de qualquer outra personalidade. No dizer do historiador George Knight, o Jesus dos cristãos contemporâneos aparece como um cavalheiro do século XXI, em uma tentativa politicamente correta de reconstruí-lo à imagem e semelhança da cultura pós-moderna.
Há muito o fundador do cristianismo é tratado como um símbolo vazio (tomando a expressão de Schaffer), encarnando os valores de cada época. Atualmente, Ele é associado às minorias, como seu defensor, uma espécie de Robin Hood ou Che Guevara da Palestina. Jesus é associado à aceitação irrestrita, alguém incapaz de fazer julgamentos, sensível e totalmente aberto a outros.
Como na fábula dos cegos que tateiam o elefante, é fácil que a miopia de perspectivas culturalmente condicionadas enxerguem somente os traços da personalidade de Cristo que lhe sejam convenientes. Todavia, uma representação apropriada de quem Jesus foi de fato não pode negligenciar a principal fonte de testemunhos oculares sobre ele: os evangelhos.  
Uma simples análise do Jesus retratado nos evangelhos mostra o quão firme Ele era em suas convicções, a ponto de não se preocupar em perder simpatizantes em nome de uma mensagem impopular (Mt 15:12-14; Lc 4:24-30; 8:19-21; 18:22-29; Jo 6:60-64). Jesus podia sentir ira, verdadeira indignação diante de injustiças (Mc 3:5, onde ocorre a palavra ὀργῆς, geralmente usada para se referir à ira de Deus, em contexto de julgamento; cf.: Rm 2:5; 9:22; 1 Ts 1:10; Ap 6:16-17; 14:10; 16:19; 19:15). Jesus não se omitia diante de injustiças, não tolerava o erro ou aceitava visões religiosas que induzissem à uma concepção incorreta sobre Deus (Mt 15:3-9; Jo 2:13-17; 3:10). Ele pronunciou julgamentos severos (Mt 12:21-24, 36-37, 40-42; 23:34-36). É comum que Jesus usasse linguagem forte para denunciar a hipocrisia religiosa de seus dias (Mt 12:33-35, 39; 23:13-27; Jo 8:38-44).
Definitivamente, a personalidade de Jesus possuía traços controversos. Ele conseguia viver de forma autêntica, mas sem aquela autenticidade autoproclamada de quem deseja apenas chocar as pessoas. Ele agia com um senso de justiça que desafiava convenções sociais. Não temia levantar a voz contra o erro, embora isso o tornasse impopular em alguns ciclos. Era firme e proferia discursos enérgicos, exigentes – os séculos de distância e as mudanças culturais obliteram muito da ironia, sagacidade e provocação das parábolas de Jesus. Além disso, a familiaridade com o texto bíblico impede mesmo a muitos cristãos atuais de perceberem a condenação e exclusivismo próprios do Mestre em mensagens como a que se acha em João 14:6.  
Nenhum desses traços enfraquece a bondade de Jesus, mas a complementam, impedindo que sua mensagem de amor seja alvo de uma releitura que o transforme em uma espécie de hippie ou pregador ingênuo. Nele aparece um tipo de amor sem conivência, uma misericórdia que funciona em conexão com o julgamento, nunca à parte ou contra ele. Jesus não era politicamente correto. Isso não o torna um sujeito boçal, mal-humorado ou um político da ultra-direita. Avaliado com justiça, Ele não pode ser usado apropriadamente como símbolo de nenhuma ideologia atual – e, me arrisco a dizer, em muitas situações, pouca compatibilidade há entre Jesus e a postura de muitos de seus professos seguidores, moldados mais pela cultura consumista e entretenimento midiático do que pelo seu suposto compromisso religioso. O Jesus bíblico representa um lado: o lado dele, o lado da verdade (Jo 8:32, 36). Como é mais fácil trazê-lo violentamente para o nosso lado do que nos submeter pacificamente ao lado dele!…


Leia também:

quinta-feira, 1 de junho de 2017

AS VEZES


DES FOIS
Encontro em Jesus sempre uma expressão de afeto
Não limitada ao meu momento mais tranqüilo,
Quando a fé dobra a dúvida; há, quando vacilo,
A mesma aceitação como quando sou reto.
Meu Deus cumpriu na cruz o primordial decreto
De estender a mão para o pária. O amparo, o asilo
Recende a vaporoso hortelã. Descobri-lo
É ter presente no redil líder concreto.
Minha entrega de amor, morte temida do erro,
É flor de submissão deixando o chão do enterro,
É grão que morre para aparecer o trigo.
As vezes em que por avidez de glória ouço
Desbotado argumento e volto ao calabouço,
Nem por isto Jesus recolhe a mão de amigo.
1ª São José do Rio Preto (SP), 18 de Julho de 2002, às 10:35h.
2ª Guarulhos, 22 de Outubro de 2004, às 24:40h.

Últimas alterações: Guarulhos, 3 de Novembro de 2004.     

Leia também: