quarta-feira, 19 de março de 2008

CÉTICO ATÉ O FIM


Mesmo na morte Arthur C. Clarke não deixa de manter sua visão de mundo. O escritor de "2001, uma odisséia no espaço", que morreu na última quarta-feira (19) aos 90 anos, deixou instruções por escrito pedindo um funeral sem nenhum tipo de ritual religioso.

"Absolutamente nenhum ritual religioso, relacionado a qualquer fé religiosa, deve ser associado ao meu funeral."

Clarke já havia dito em uma entrevista que as religiões são "um mal necessário na infância de nossas espécies particulares".

O escritor morreu em decorrência de problemas respiratórios, de acordo com o seu agente Rohan de Silva. Seu funeral, privado, deve acontecer neste fim de semana no Sri Lanka, país que o britânico vive desde os anos 50.


Fonte:G1

As recomendações de Clarke sobre seu próprio funeral, que encontram paralelo no ceticismo de outro escritor, o brasileiríssimo Machado de Assis, não surpreendem; por um lado são coerentes: muitas pessoas desejam manter uma aparência religiosa por ocasião da morte, sem que tivessem uma experiência realmente espiritual ao longo na vida.

É claro que, não obstante, toda essa revolta contra a instituições religiosas pode ter várias causas. E em matéria de religião abundam maus exemplos (históricos e contemporâneos), suficientes para munirem os céticos de argumentos contra a eficácia e o propósito da crença.

Mas, a bem da verdade, a verdadeira religião consiste na caridade prática dispensada às minorias, bem como na integridade em nível pessoal (Tiago 1:27). Quem quer que mantenha uma cosmovisão alinhada com os princípios expostos na Bíblia, certamente terá as respostas adequadas enquanto viver, e segurança de que sua esperança está confirmada na hora da morte.

24 comentários:

edson luiz luz disse...

o senhor Arthur C. Clarke mostra a sua cosmovisão sobre o mundo atraves de qualquer coisa ligada a religiao esua opniaõ nao pode ser alterada mesmo porque ele ja morreu
e mesmo nasua morte ele segue com sua opniaõsendo um cetico ate o fim

Elisama disse...

Por um lado o senhor Arthur C. Clarke está certíssimo. Depois de estar literalmente morto em um caixão, nenhum tipo de ritual religioso irá beneficiar o morto, a não ser consolar os familiares e amigos presentes. Agora uma coisa é clara, partir desta vida sem crer em Deus e seus ensinamentos... Hummm! " Miserável homem que sou, como escaparemos nós se não atentarmos a uma tão grande salvação? Pensamos nisto.

sylmaraH-tinha s2 maycon disse...

Digamos que por um lado o Senhor Arthur C.Clarke esteja certo de nada adianta lamentar depois de morto.
Mas em questãõ de querer ou não um ritual religioso em seu funeral é uma escolha dele na qual ninguem pode questionar.

Anônimo disse...

Também concordo com algumas visões que Arthur. C. Clarke tinha sobre o mundo e, realmente, ele está certo em não querer nenhum tipo de ritual religioso enquanto ele está morto, o que é certo fazer (como disse a Elisama), é consolar a família e amigos que com certeza sentirão falta desse escritor.
Admiro ele por ter aguentado 90 anos vivo e ainda usando a cabeça (inteligencia) para escrever, he he he!


Jaqueline Roberta Burgonovo.
1º E.M

bianca disse...

Arthur C.Charke acho que não era muito religioso,nem queria que as pessoas que lhe amavam ficassem mais triste ouvido algumas coisas a seu (respeito)*mais acho que até acredita na salvação, de Jesus nosso senhor.
Essa foi sua opinião durante toda a sua vida sem niguém questionar.
Foi o seu desejo
Essa é a minha opinião!!!

Bianca Ribeiro disse...

Eu acho q cada um deve decidir sobre como quer que seja depois de sua morte,cada um tem o seu pensamento, se as pessoas acham q se rituais os fizerem se sentir bem, ele está mais do que certo de nao querer fazer(pois ele tem sua opinião, seu pensamento), eu acho q cada um tem seu modo de pensar,e tbm depois de morto nao se pode exigir muito pois é a familia que decide o que fazer com o cadaver. o senhor Artthur C. Clarke tem o seu pensamento sobre rituais,todos tem.

Anônimo disse...

concordo com ele na base de não querer "ritual religioso" no funeral, pq eu acho assim, ja morremos? entaum pra q fica " orando, rezando ou sei lá o que" por essa pessoa, não a gente que vai salva-la, é ela mesma, só q antes de morrer né!

Bruna das Neves Egídio
1ºano EM

Anônimo disse...

Arthur C. Clarke não acreditava em nada em especifico, por este motivo ele optou em não ter nenhum ritual religioso,depois da sua morte.Mas tbm é logico que ele não poderia interferir se a sua familia escolhece ao contrario.Todos temos o direito de escolha,porem cabe a familia atender ao ultimo pedido...

jenny...

Edson da Silva Ricobom disse...

Arthur C. Clarke continuou cético até mesmo depois de sua morte,um erro cometido por muitos no mundo e que deveria ser evitado pois Deus está aqui para nos guiar,porém,se o Arthur entre tantos outros não quis aceitar ser guiado, o que Deus pode fazer?

Anônimo disse...

Artur C. Clarke, como todos nós temos, tinha liberdade de escolha.
Ele escolheu não ter uma cerimonia religiosa em seu funeral, caberia ao seus familiares respeitar essa escolha.
Talvez ele tenha feito essa escolha de não ser realizada uma cerimonea religiosa para evitar algum conflito familiar, de alguém querer fazer uma cerimonea catolica, outro querer cerimonea budista, outro cristã...
Como ele morreu deixando a sua opinião bem clara sem ninguém poder contestar todos teriam que somente respeitar.
Pena ele ter morrido "sem conhecer" o real Salvador desse mundo, e não somente ter conhecido mas aceitado daí ele não morreria cético mas iria morar com Jesus.
Como diz paulo:"morrer é lucro" (para todo o que crê).

Sâmia - 1ºEM

Victor Gabriel disse...

Achei esta matéria muito interessante, pois vi que uma pessoa que nunca teve uma experiência religiosa pode morrer sem ter uma esperança, uma razão de viver. As pessoas que qcreditam em um Deus fiel e verdadeiro morrem em paz... felizes consigo mesmos, ele sabem que a morte não passa de um sono, e não a temem... ao contrário de Arthur C. Clarke, que nunca teve uma razão de viver.

Anônimo disse...

Bom, por um lado eu concordo com o senhor Arthur C. Clarke, porque lá no funeral mesmo ele nao vai precisar de nenhum tipo de ritual religioso, ele já tava morto mesmo! Mas eu nao concordo com o que ele diz, que religioes sao um mal necessário!
Todos nós necessitamos de um Deus, que cuida de nós e nos perdoa das nossas falhas!


Caroline 1º EM

Anônimo disse...

Cada um tem seu jeito de pensar,
e acho que se ele quiz assim,é porque ele acredita que não adianta de nada fazer um ritual religioso,como os de costume,se ele não vai estar lá.
Vai de cada um,tens uns que pensão da mesma forma que ele,mais tem outros que gostariam que fosse feito todo o ritual religioso.

(Lizandra Lessa)

Anônimo disse...

A opinião é dele, porem acho que as pessoas necessitam de uma religião para que possa saber mais do nosso Criador, ter uma vida espiritual, e estar cada vez mais perto de Deus.
Más se Arthur C. Clarke ele acreditava no Senhor, e não queria ter uma religião porque achava ruim, ou por outro motivo, ele tam o seu livre Livre-arbítrio.
Acho q ue para ter uma vida feliz é presciso ter Deus em nossos coraçoes.

Mariana Milani Baldoni 1° ano E.M.

Anônimo disse...

realmente cético até o FIM ! não mudando de opinião e permaneçendo firme,perseverando até o fim em sua crença,ou melhor 'descrença'. hahaha :) pena que ele foi pro inferno x: cara inteligente,e ainda viveu 90 anos,imagina surfar até os 90 anos? *_* haha :)
mas a realidade é que de certa forma devemos seguir pelo menos um passo deste homem,pois ele foi firme em sua opinião até o final,e pelo que eu sei a bíblia diz que devemos perseverar até o fim né? acho que é isso,sei lá.
pode cre,o bagulho é doido hahahhaha

( Roberto 1° EM )

Willian disse...

Ele estava certo, porque
a Biblia não cita nenhuma vez
que fazer algum tipo de ritual,
oração,....
vai salvar algum morto.
O que as pessoas deveriam fazer
é orar,ou coisa assim, antes
da pessoa morrer, e nós
sempre estar comunhão com Deus!!!
porque ninguem sabe a sua hora..

Jessica disse...

Cada um tem seu ponto de vista,
por um lado esse senhor tem razao,pois,depois q a pessoa morre naum adianta ritual religioso nenhum para salva-la se ela viveu uma vida cética e cometendo varios pecados do mundo.
Por outro lado nem mesmo em 90 anos de vida ele nao percebeu quantas provas existem da existencia das maravilhas de Deus?
Penso q certas pessoas assim sao totalmente dependentes de "atençao de todos" sempre fazendo declaraçoes criticas contra questoes polemicas como essa fazendu assim eles literalmente se tornam céticos até o fim!

Anônimo disse...

O Senhor Arthur C. Clarke era uma pessoa convicta de que religião não passa de ensinamentos vindos na infância das pessoas, mas que, não passaram por experiências espirituais nenhuma, e sim porque foram ensinadas dessa forma, motivo pelo qual Sr. Arthur não quis nenhum ritual religioso porque não acredita.
Ele foi uma pessoa cética(religiosamente falando); enquanto viveu até a sua morte.

Vanesca A. Silva

Fillipy Gustavo disse...

Quem morreu não voltou pra dizer oque ocorre após a morte...
Segue em profundos suspiros frente á temida interrogação do que realmente nos espera..?!?
Seguir critérios inerentes á própria natureza nos mantem seres humanos íntegros e confiantes da existências de um ser supremo...
Arthur C. Clarke,em conduta parcial ao seu próprio comportamento preferiu não crer na existencia de ser supremo que chamamos de Deus.Resta saber qual destino de sua alma...


Fillipy Gustavo Luz

dreysson disse...

O cara la mostro sobre o mundo traves de coisas religiao

Luan Argeu Salsbrum disse...

Ele mostra sua cosmovisão do mundo e acho que a sua deçisão de ser respeitada por todos temos esse direito e dever de respeitarmos as opiniões dos outros.

guilherme disse...

Arthur clark esta certo,pois depois que uma pessoa esta morta n adianta fazer nada,ritual nenhum vai salvala ou levala pra um lugar melhor ou ajudala.
o que tinha de ser feita por essa pessoa tinha que ter sido feito quando ela estivese viva,depois de morto nao adianta ficar la chorando em cima do caixao

Raissa Specian 1º ano EM disse...

Este era um homem, chato com uma vida pacata, relacionamentos monótonos, sem Deus, sem felicidade, sem nada.

Daí o nome Cético até o fim. Dado o fim como sendoa morte. Porque eu quero ver a bela supresinha que ele vai ter, ou melhor teve, quando chegou na reta final.
Do ponto de vista do céu deve ter sido divertido ver todo orgulho dele caindo com ele para o inferno.

juju silva disse...

se ele nao acreditava eu respeito a opniao dele pq ninguem é obrigada a acreditar em nada
mas como uma pessoa nao acredita em deus nao conigo imaginar
mas tudo bem essa era a opniao dele e tem q ser respeitada