sexta-feira, 26 de fevereiro de 2010

SANSÃO, A OUTRA HISTÓRIA




Sua sombra encobria um exército trêmulo. Durante dias, o desafio vindo das tropas inimigas ecoava nos pesadelos dos soldados israelitas. Naquela manhã, o murmúrio da chegada do campeão passou de fileira em fileira. O boato virou um alvoroço. As lanças, que até então estiveram no chão, foram alçadas, como bandeiras de vitória. Os inimigos demoraram, mas souberam. Depois viram. Os soldados de Israel cederam espaço ao recém-chegado. “Ele matou um leão com as mãos!”, comenta alguém. “Contaram que ele carregou o muro de uma cidade” , diz outro. “Soube que mil homens não foram páreo para ele”, acrescenta um filisteu, em tom de medo. Os filisteus logo viram a figura viril de Sansão aparecer do outro lado do ringue. Do lado pagão estava o desafiante. Para ele, o café da manhã consistia em mingau e soldados hebreus. Seus quase três metros de altura, herança genética de uma raça que habitara Canaã, impunham respeito. Seu nome era lendário: Golias. Faça sua aposta, a luta vai começar!

“Ei, espere um pouco!”, você protesta, “que história é essa de Sansão enfrentando Golias?” Tudo bem, eu sei. Esse fantástico confronto não está em nenhum lugar da Bíblia ou da História. Se fosse possível assistí-lo, eu estaria na primeira fila, com um saquinho de pipocas e um copo de suco. Mas esta grande luta não aconteceu, talvez, porque os dois possíveis adversários viveram em épocas diferentes. Durante o período em que Sansão julgou Israel, provavelmente nasceu o profeta Samuel. E, apenas em idade avançada, Samuel ungiu o jovem Davi para se tornar rei de Israel. Portanto, entre Sansão e Golias há um intervalo considerável de tempo.

Agora, leia o que realmente aconteceu. As lanças que, até então, estiveram no chão, continuaram no chão. Os inimigos demoraram, mas souberam. Depois viram e riram! Os soldados abriram espaço para o novato, que não parecia grande coisa. “Ele disse que matou um leão com o cajado de pastor!”, ironizou alguém. “Este pivete magricelas?”, espanta-se outro. “O futuro de nosso exército, nas mãos de um fracote?!”, mais um questiona com sarcasmo. Os filisteus logo viram o jovenzinho Davi aparecer do outro lado do ringue.

O contraste entre Golias e Sansão talvez não fosse tão grande. Dois guerreiros afamados. Máquinas de luta. Seus inimigos os temiam. Agora pense em Davi. Imagine seu rostinho sardento queimar diante dos músculos do gigante ofegante e furioso. Quem era o garoto perto de Golias? Davi e Sansão. Ambos enfrentaram os filisteus. Dois guerreiros com habilidades poéticas. Dois líderes em Israel. Também dois homens fracos diante de mulheres. Muitos pontos em comum. No entanto, Davi tem um diferencial: sua confiança em Deus. Sua integridade em servir. Davi, o homem segundo o coração de Deus. O rei mais amado de Israel não era extraordinariamente forte, mas liderou exércitos. Ele dominou os povos vizinhos de Israel, inclusive os filisteus. Quem diria que um garoto ruivinho chegaria tão longe!

Infelizmente, Sansão não chegou tão longe quanto poderia. Seu coração foi servo dos seus olhos (Jó 31:7). Ele teve a conduta ditada por paixões irrefletidas, apesar de ser o escolhido para representar a vontade do Senhor naquela época e lugar. Suas fraquezas nos dizem muito acerca de um Deus bondoso o suficiente para selecionar mesmo os imperfeitos para Seu serviço. Mas não apenas isso. O fato de Deus não ter impedido as más escolhas de Sansão, testemunha poderosamente sobre a liberdade que Ele nos dá. O supermercado em que eu e minha esposa costumamos fazer compras tem um slogan interessante: “O melhor presente é poder escolher”. Você pode estar certo de que recebeu o melhor presente do Pai .

É preciso acrescentar que o dom da escolha é maravilhoso em si, mas o seu uso irresponsável sempre acarreta riscos. Assim como Sansão, que resistiu à vontade de Deus e colheu os frutos amargos do descompromisso, nós, hoje, temos a liberdade para aceitar ou rejeitar o que o Senhor nos propõe. A bênção e a maldição, que estão diante de nós, são condicionais ao exercício do livre-arbítrio.

Aliás, compensa refletir também sobre a natureza de nossa vocação. Não fomos chamados para exercer o nazireado ou vencer exércitos estrangeiros com lanças ou espadas: “nossa luta não é contra o sangue e a carne” (Ef 6:12, ARA). Porém, em certo sentido, também somos chamados a libertar um povo. Nossos irmãos e irmãs sofrem escravizados não pelos filisteus, mas por correntes de pensamento contrárias às Escrituras. Muitos cristãos parecem não perceber que o cristianismo tem que influenciar o trabalho, os relacionamentos e a maneira de encarar a cultura. Vivem como os não cristãos. Nossa missão é influenciar a sociedade com uma mensagem de libertação. Para tanto, essa verdade precisa ser real para aqueles que pretendem compartilhá-la. Os ouvintes da mensagem desejam ver nossa integridade. Por isso, é inadimissível ter uma postura no fim de semana, quando estamos na igreja, e assumir outra na segunda-feira, quando voltamos à rotina semanal. Do campus ao templo, do sofá ao escritório, a verdade de Deus não muda. Desta forma, o desafio é viver coerentemente nossa vocação espiritual, sabendo dar a razão de nossa fé em toda situação e sob qualquer pressão.

O pensamento atual é cada vez mais hostil à religião cristã tradicional. Em grande parte, os questionamentos envolvem a aceitação de uma verdade universal, transcendente. Para a sociedade pós-moderna, verdade é algo individual: você faz a sua, eu faço a minha. Crenças religiosas são aceitas ou descartadas de acordo com a conveniência do indivíduo. Nessa linha, a aceitação da Bíblia como Palavra inspirada sofre muita resistência. Por isso, apresentar as verdades bíblicas hoje, não tem o mesmo impacto de décadas atrás. Um universitário de classe média, por exemplo, que já ouviu de seus professores sobre o evolucionismo, está familiarizado com as especulações filosóficas, e já experimentou de várias manifestações religiosas, terá dificuldade de aceitar o ensino bíblico como verdade absoluta (Jo 14:6; 17:17). Para alcançar esse público é preciso se aproximar amistosamente. Por meio de diálogos inteligentes, o cristão pode levar um secularizado a questionar seus pressupostos e manter sua mente aberta para uma apresentação racional do cristianismo. Vale lembrar que apesar de os princípios serem eternos, a mensagem deve ser contextualizada de forma relevente para alguém do século XXI.

Davi venceu os desafios de sua época. E como ele, a Bíblia registra comoventes relatos de pessoas que andaram na contramão de seu tempo. Em meio à crença em vários deuses, José testemunhou a respeito de apenas um Deus que tinha poder sobre o Egito. Ao continuar adorando Jeová na Babilônia, Daniel mostrou que o Deus do povo escravizado não era mais fraco do que as divindades pagãs. Num tempo em que muitos queriam que os pagãos conversos ao cristianismo fossem cricuncidados, Paulo defendeu que a entrada do crente na igreja de Cristo se dá unicamente pelo batismo. São muitos os que, como Davi, José, Daniel e Paulo, compreenderam e viveram os princípios bíblicos em seu tempo.

Seria ridículo que alguém, sob o pretexto de viver conforme a Bíblia, andasse por aí vestido com roupas dos tempos bíblicos, deixasse a barba imensa e segurando um cajado fosse acompanhado por uma ovelha. Mas foi exatamente o que o jornalista A. J. Jacobs fez, quando por um ano se dispôs a praticar literalmente, segundo ele, as setecentas regras de conduta que a Bíblia possui. Em seu livro The Year of Living Biblically (O ano em que vivi biblicamente), Jacobs conta como foi comer gafanhotos, apedrejar adúlteros (com pedregulhos, por brincadeira), reprimir seus impulsos sexuais (concentrando o pensamento em sua mãe), escravizar seu secretário (não o remunerando em seu estágio), entre outras peripécias.

É óbvio que a intenção de Jacobs foi satirizar os cristãos. Deus não exigiu que adotemos o estilo de vida judaico do período do Antigo Testamento, nem mesmo os costumes dos cristãos do primeiro século. Viver conforme a Bíblia é extrair dos princípios bíblicos sua aplicação para hoje. A crítica de Jacobs aos fundamentalistas cristãos, que levam ao pé da letra alguns textos bíblicos fora de seu contexto, mostra que é preciso conhecer o mínimo de interpretação bíblica e buscar a orientação do Espírito Santo, para não escorregar para o fanatismo ou esquisitices [1].

A negligência em passar tempo de qualidade com Deus para desenvolver uma visão correta sobre o que significa viver o cristianismo em nosso tempo, pode nos levar, tardiamente, como Sansão, a ver que rejeitamos maior revelação do Senhor para viver à luz da nossa velinha. O resultado, a história do nosso herói já mostrou: rebeldia é sinônimo de vida atormentada (Is 50:10, 11).

Mas, para mim e você, ainda existe tempo de ajustar o foco de nossa visão. Já escrevi em outro lugar sobre o texto de Romanos 12:2, que nos ensina três importantes passos para esse processo: (1) rejeitar as visões distorcidas deste mundo, que são contrárias à verdade bíblica; (2) renovar a mente por meio da assimilação da mensagem bíblica; e (3) experimentar e comprovar os beneficios de seguir a vontade de Deus nas situações cotidianas.

Depois de revisar o texto de Romanos em sua Bíblia, procure enxergar esses mesmos três ensinamentos no trecho abaixo: “Quanto à antiga maneira de viver, vocês foram ensinados a despir-se do velho homem, que se corrompe por desejos enganosos, a serem renovados no modo de pensar e a revestir-se do novo homem, criado para ser semelhante a Deus em justiça e em santidade provenientes da verdade” (Ef 4:22-24). A cada dia, diversas pressões assediarão nosso poder de escolha. A dependência de Deus fará de cada decisão uma honra para Ele, quer em assuntos grandes ou pequenos. Basta desenvolver o que lamentavelmente faltou para Sansão: a visão correta.

[1] No Brasil, as ideias de Jacobs tiveram repercussão, através de duas matérias publicadas em revistas que, rotineiramente, questionam a historicidade da Bíblia e a relevância de sua mensagem. Veja Marcos Nogueira, A Bíblia como ela é, Superinteressante, novembro de 2007, p. 96-99, e Cláudio Julio Tognolli, Dá para viver segundo a Bíblia hoje?, Galileu, janeiro de 2008. Ambas as matérias foram respondidas, respectivamente, por Douglas Reis, Como viver biblicamente de verdade?, disponível em http://questaodeconfianca.blogspot.com, e por Michelson Borges, Festival de baboseiras na Galileu, disponível em www.criacionismo.com.br.

Nenhum comentário: